Pousa a mão na minha testa

Não te doas do meu silêncio: 
Estou cansado de todas as palavras. 
Não sabes que te amo? 
Pousa a mão na minha testa: 
Captarás numa palpitação inefável 
O sentido da única palavra essencial 
— Amor. 

Manuel Bandeira, in Lira dos cinquent’anos, 1940

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s