Tu

Com esse teu ar 
de arcanjo negro 

pálido e magro 
triste e alheado 

ficas por vezes quase etéreo 
calado 
enquanto eu te olho docemente 

Num espanto condenado 
quase místico 
debruço-me secreta à tua beira 

e numa espécie de prece 
porque existes 

alheado magro 
belo e triste 

estou de joelhos meu amor 
e beijo-te 

Maria Teresa Horta, In Palavras Secretas, 2007

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s