Floresta de Ignatievo

Brasas de folhas últimas, uma auto-imolação densa,
Ascendem ao céu, e no teu caminho
A floresta inteira vive o mesmo nervosismo
Que tu e eu vivemos este ano.

A estrada se espelha nos teus olhos lacnmejantes
Como arbustos ao crepúsculo num campo inundado,
Não te deves inquietar ou ameaçar, deixa estar,
Não perturba o sossego das matas do Volga.

Podes ouvir a velha vida respirar:
Cogumelos viscosos crescem na grama molhada,
Lesmas abriram caminho até o miolo,
E uma umidade corrosiva atormenta a pele.

Todo o nosso passado é como uma ameaça:
“Cuidado, estou voltando, olha que te mato!”
O céu se agita, segura um bordo, como uma rosa —
Que a chama brilhe mais ainda! — quase na frente dos olhos.

Arseni Tarkovski

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s