Olha-me rindo uma criança

Olha-me rindo uma criança 
E na minha alma madruga. 
Tenho razão, tenho esperança 
Tenho o que nunca me basta. 

Bem sei. Tudo isto é um sorriso 
Que é nem sequer sorriso meu. 
Mas para meu não o preciso 
Basta ser de quem mo deu. 

Breve momento em que um olhar 
Sorriu ao certo para mim… 
És a memória de um lugar, 
Onde já fui feliz assim. 

Fernando Pessoa, In Poesias Inéditas (1930-1935)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s