Evadir-me, esquecer-me, regressar

Evadir-me, esquecer-me, regressar 
À frescura das coisas vegetais, 
Ao verde flutuante dos pinhais 
Percorridos de seivas virginais 
E ao grande vento límpido do mar. 

Sophia de Mello Breyner Andresen, In Dia do mar, 1947

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s