Mapa

Partículas sem rotação, 
Corpos girando no plano do impossível. 
Luz interdita guarda o poema 
Nas gavetas do silencioso. 
Multiplicam-se as visões 
Na velocidade dos ventos 
Gritando sons de pesadelos. 
Atrás dos ruídos 
Está o claustro branco. 
Cubículos da angústia 
Preenchidos com terrores não pensados 
E o gráfico da memória 
Alarga-se no quarto estágio do REM 
Que agita a profundidade do sono. 
Nenhuma porta está aberta à alma, 
Só a dos desertos infinitos 
Que a cada minuto nos levam 
À certeza de infindos exílios. 

Adalgisa Nery, In Erosão, 1973

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s