Cancão para dentro

A canção do corpo é cantada para dentro 
E a leveza da alegria se transmuda em peso, 
A brisa adere aos amargos pensamentos 
Fluindo no sorriso compassivo. 
Logo, 
Surgindo de células desamadas 
Os matizes áureos anoitecem, 
Pálpebras levantadas vão caindo 
E nesgas apenas vislumbramos, 
Geografias em nós morrendo, 
Oceanos crescendo, ilhas sumindo, 
Rosas nascendo na canção 
Que o corpo canta para dentro. 

Adalgisa Nery, In Erosão, 1973

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s