Nada. Passaram nuvens e eu fiquei…

Nada. Passaram nuvens e eu fiquei…
No ar limpo não há rasto.
Surgiu a lua de onde já não sei,
Num claro luar vasto.

Todo o espaço da noite fica cheio
De um peso sossegado…
Onde porei o meu futuro, e o enleio
Que o liga ao meu passado?

Fernando Pessoa, in Poesias Inéditas (1919-1930)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s