Ninguém me disse quem tu eras

Ninguém me disse quem tu eras, 
Ninguém falou de que virias. 
Vieste, e havia primaveras 
Em que só tu florias..

Não sei ainda se vieste 
Pois não distingo o sonho e a vida. 
Sei qual o bem que me trouxeste, 
Mas não me foi guarida.

Era um desejo começado, 
Era um anseio por achar. 
Só me resta do teu agrado 
O tornar-te a sonhar.

20 – 10 – 1934 

Fernando Pessoa, In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s