Amar as palavras

Amar as palavras
é inventar o vento
através da noite
em pleno dia

Se desapareço
grão por entre grãos
é porque deus adormece
como um astro imóvel
polvilhado de pólen

Onde estiver serei
o sono do amor
num claro jardim
e como se estivesse morto
as ervas hão-de romper
das minhas unhas verdes
e a minha boca terá
a ébria frescura
da plenitude do espaço

António Ramos Rosa, in Numa Folha, leve e livre, 2013

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s