Gisela

O que eu te digo alguém o disse
e de tal modo
que pouco importa que o dissesse
fosse quem fosse
e se ninguém o disse
poderá vir a dizê-lo
o que não impede
a urgência de dizer
neste instante

Em cada instante
o mistério é vivo
no silêncio
e na palavra que o diz

O mistério é dito
não pelo que se diz
mas pelo próprio mistério
na obscuridade viva
e na palavra não morre
em cada sílaba vibra
se a palavra é viva
música
de um mistério indefinível

António Ramos Rosa
21-05-05

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s