Desamores até à Partida

Eras lenta, amorosa, para lá do limite da paciência. Como uma sinfonia dos oboés, ritual me acariciavas que não te fartavas, delicada que me alongavas os bornais, firme a saliva pela língua. Como uma sinfonia de Handel. Se os amassavas em blandícia de uma amorosa silvestre, pelo teu amor ancorei-me ao futuro e a minha alma inquieta e revolta rejubila-se de alegria. Como uma asa em peos, dissona. Em noites como esta teu corpo era todo o foguetão, a gosto, antes de os levares em cruzada à garganta. Era à varanda deles que repousava o teu cansaço. Aquele amor cândido. Aquelas amoras dóceis. Tanto que te amando, se me convertes numa árvore onde eu sou um réptil que a sobe tronco e ramo, numa impulsão ao que se me ocorre sempre: aos frutos do amor, a amora sobre a língua vagarosa, ao anel de rubi cinzelado entre as pernas, dedo e unha. Era só uma lembrança, pois então quebraram-se as asas e nenhum de nós os dois voa. E o silêncio se me interpela. Já não é. E sempre era de noite quando volvia aos teus prumos. E a pergunta com que o silêncio se me interpela se cristalizará com o tempo. Eis mais este presente dilacerado que nos sobrou. Delicada a chuva sobre a celha dos rostos até à partida.

 Adelino Timóteo In Dos Frutos do Amor e Desamores até à Partida, 2011

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s