Pela Noite Alta

Já reparaste? Pelo outono,
Nas noites frias e sem lua,
quando um silêncio de abandono
Cai sobre a enorme alma da rua
Como o beijo de luz que as janelas abertas
Põem nas calçadas tristes e desertas, 
Faz reviver do fundo da memória,
Por um milagre de magia,
Um gesto morto e já olvidado,
O doce fecho de uma história,
Sombra de amor, melancolia,
Vago perfume do passado?…

Janelas alta noite iluminadas,
Deixando adivinhar, ao crivo da cortina,
Suaves palavras murmuradas
Por duas bocas bem-amadas,
E a exaltação das almas postas em surdina…

Eu recordo, perdida,
Longe, em um trecho azul da minha vida,
Uma janela assim:
Oásis de branca claridade
Dentro da noite, a transbordar felicidade,
Para o mistério de um jardim…

E o fantasma da minha mocidade
Só, debruçado junto a mim. 

Alceu Wamosy In Coroa de Sonho, 1923
III Parte – Coroa de Sonho

Anúncios

4 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s